sábado, 6 de junho de 2009

Autores da Semana (4)

Semanalmente, ou quinzenalmente, ou, no máximo, mensalmente, publicaremos contos dos participantes do Clube do Conto. Nesta edição número quatro: Ronaldo Monte.

***


RONALDO MONTE

Nasceu em 1947, em Maceió, Alagoas. Com onze anos de idade foi aprender a viver no Recife. Mora em João Pessoa desde 1978, o que o faz paraibano por opção e tempo de serviço. Além de poeta e escritor, é psicanalista e professor, com Doutorado em Teoria Psicanalítica pela UFRJ. É autor de crônicas e ensaios publicados em jornais de João Pessoa. e mantém um blog (blog-do-rona.blogspot.com).

Publicou:
- Pelo canto dos olhos (poemas), 1983.
- Memória Curta (Contos e crônicas), Editora Universitária – UFPB, 1996.
- Tecelagem noturna, (Poemas), Editora Universitária – UFPB, 2000.
- Pequeno caos (Crônicas), Editora Manufatura, 2003.
- Memória do fogo, (Romance), Editora Objetiva, 2006.
- O lugar da cura – Construção da situação psicanalítica, Editora Universitária – UFPB, 2007.

***

OFÍCIO

Quando o marido morreu, ela não sabia o que fazer. Pois depois que casou, ele nunca deixou que ela fizesse nada. Não podia sair, nem pra ver a família. Não podia conversar com ninguém. Até com a empregada velha que cuidava da casa ela não podia falar. Se ele pegasse, ela ia pro quarto de porta trancada a chave. Tudo que ela precisava, ele trazia da rua. Roupa, sapato, remédio. Só servia para a cama. Isso ele dizia que ela fazia bem. Mas só dizia perto do fim, enquanto gozava. Depois não tocava no assunto. Por isso, quando ele morreu e ela procurou uma coisa para ganhar a vida, foi só isso que lhe passou pela cabeça.

Daí que pegou uma tampa de caixa de sapato, tirou as bordas, fez dois furos por onde passou um cordão e pendurou na porta da casa. Lia-se em letras redondas escritas com esmalte: fode-se.

O primeiro a passar foi o padeiro. Quando leu o anúncio, empurrou a porta que não estava no trinco. Foi até a cozinha, onde ela esperava. Botou o pacote de pão ma mesa, pegou na mão dela e a conduziu para a cama. Gozou uma vez, gozou duas e três. Levantou-se arfando, vestiu-se às pressas, saiu e trancou a porta, levando a chave no bolso.

3 comentários:

Humberto Ilha disse...

Nocauteante. Muito bem escrito. Final inteligente ao levar a chave da casa. Não tenho coragem para escrever com tanto realismo nem sob pseudônimo. Tenho uma formação burguesa que me impede de escrever assim. No Brasil, Nelson Rodrigues e Dalton Trevisan são cânones. Parabéns.

Angela disse...

Que maravilha! não diria perfeito só para uqe continues assim! Raramente se encontra um conto curto tão bem escrito e completo! Encantou-me!

Gorette disse...

Que coisa mais linda...rs
queria continuação rs